Os anéis expulsadores têm um papel importantíssimo no corte longitudinal slitter, mas quando olhamos uma máquina cortando uma bobina de aço em tiras e vemos os anéis coloridos girando(expulsadores), basicamente pensamos que deve ser para que a chapa seja tracionada, isso é verdade, porém, o uso do expulsador tem outras inúmeras funções fundamentais para a qualidade do corte e durabilidade de todo o ferramental.

Para entendermos melhor sobre o uso dos expulsadores, falaremos um pouco sobre as características e aspectos construtivos dos expulsadores híbridos (alma de aço e revestimento de poliuretano-PU), que são os mais utilizados.

A definição das dimensões e características dos anéis expulsadores dependem basicamente da sua largura, espessura e resistência do material a ser cortado, eixo onde ele será montado e do esforço de corte.

As variações no diâmetro externo podem causar maior ou menor pressão contra a chapa, influenciando diretamente no poder de arraste. Porém, caso a chapa seja muito fina, a força de compressão dos expulsadores pode deformar as tiras e por isto, neste caso, nem sempre é recomendável o uso dos expulsadores. Por outro lado, se a espessura da chapa for um pouco maior e a pressão exercida pelos expulsadores for muito pequena, a chapa não é tracionada e pode patinar.

Além da tração da chapa o expulsador é usado para apoiar o corte reduzindo a área de deformação melhorando assim a qualidade do corte e a expulsão da tira entre as facas.

Abaixo vemos uma ilustração do cisalhamento apoiado:

Como podemos ver há uma redução drástica da área de deformação e da rebarba quando se utiliza o expulsador contraposto.

Existem cuidados com os expulsadores e a definição das suas dimensões, que são extremamente importantes para que se possa ter o máximo de durabilidade dos mesmos. Abaixo citamos alguns:

– Dimensionar corretamente o diâmetro dos expulsadores para que o poliuretano não seja esmagado e comece a rachar.

– Não deixar os expulsadores estocados por longos períodos sem uso, pois o poliuretano tem validade e longos períodos sem uso faz com que o poliuretano perca suas propriedades físicas.

– Após a recuperação ou aplicação do poliuretano, sempre verificar se a espessura do poliuretano é igual à do anel de aço, pois, sendo menor, faz com que ao montar o ferramental, as facas e os espaçadores fiquem apoiados sobre o PU causando instabilidade e perda de precisão na montagem.

– Não usar produtos químicos como solventes para a limpeza.

– Armazenar os anéis em lugar apropriado.

Conhecer as características dos expulsadores, saber usá-los corretamente e identificar quando não é recomendável usá-los é fundamental para a qualidade do corte final.

Ainda ficou com alguma dúvida?